O novo Ashram minimalista

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Adieu


1. Qualquer noite seria boa para passar a certidão de óbito: fica esta. Foi bom, foi agradável, mas decidiu acabar sem me perguntar nada, e algumas tentativas de reanimação nos últimos meses não resultaram. Foi uma época da minha vida, algumas chegadas e muitas partidas, algum riso, alguma discussão e muito silêncio. O gozo do anonimato foi-se perdendo e os combates foram esmorecendo; ficou o gozo epicurista da partilha, imagens, sons, uma ou outra evocação, uma ocasional farpa irreverente.
2. Nestes longos anos fui muito acarinhado por estranhos, e ficar-me-á o travo de uma cumplicidade descarnada que se tornou poderosa, contra toda a expectativa, e o espanto da exploração a fundo de uma possibilidade tecnológica inteiramente nova. Sinto-me mais arrependido das amizades que deixei de fazer do que das falsas familiaridades que o confronto de ideias fez esboroar; a amizade postiça valeu para mim ainda menos do que a correcção ideológica.
3. O caminho continua por outras paragens mais exíguas, mais secas, mas as únicas que a minha vida presente, pelos vistos, comporta. Por aqui, continuarei a ler quem já lia, e mais uns quantos que não deixam de chegar. Um dia pode ser que regresse, mas calçado, sem corda ao pescoço, sem o burel puído e sem a máscara severa de um jansenista.
And I Love Her by Pat Metheny on Grooveshark

20 comentários:

Jonas disse...

Obrigada.

Margarida disse...

Compreensível, o desencanto.
Mas acredito na força do vício; um dia regressará.
À bien tôt.

Unknown disse...

Um já saudoso "Muito obrigado"

Lili disse...

Vou sentir falta do amigo que não consegui cativar. Até,

Inácia disse...

Vai fazer-me falta.

Maria Helena

Isabel Metello disse...

Fico triste, poisb era uma das minhas referências. Um Santo Natal e um Ano Novo muito Próspero para si e os seus, Jansenista e que Deus os Proteja sempre. Sempre com admiração,

Isabel Metello

paula disse...

Lamento.
Tornou-se uma presença para mim. Esteta, silenciosa e de um imenso bom gosto.
Até sempre para si também.
Paula

paula disse...

Lamento. Tornou-se uma presença para mim. Esteta, culta e de um enorme bom gosto.
Até sempre.

Werther disse...

obrigado.

M Isabel G disse...

Um grANDE ABRAÇO

Je Maintiendrai disse...

Fare thee well! Também já trilhei esse caminho de purificação.
Obrigado pela parte que me tocou.

Pedro Botelho disse...

Adieu & au revoir.

Méon, disse...

Cheguei na última paragem. Negaças da vida.
A bloga é um forum em que andam muitos mas em que poucos se conhecem a sério.
Cada um sabe de si. O que é isto?Diário, fintas à solidão, desabafos, modos de se achar mais bonito ao espelho?

Lá por onde andar, ó jansenista, espero que continue VIVO, nessa vivacidade viva que deixou marcas indeléveis por aqui. Como acabo de verificar.

Cá vamos indo...

ariel disse...

Aguardando pelo regresso, que tarde ou cedo se fará, estou certa. Obrigada por tudo o que nos deixou.

David disse...

Nao sei se fica bem, mas os arabes nunca dizem adeus! Dizem sempre até à vista! Eu repito-lhe um velho massalama! Que regresse em breve!

João Amorim disse...

Até breve.

ana v. disse...

Pena, é uma presença de classe (e não são muitas) que desaparece da blogosfera. Até sempre, mon cher.

Bic Laranja disse...

....
Bom ano!

T disse...

Bom descanso!

Paulo Cunha Porto disse...

Ainda bem, forço-me a dizê-lo em momento de Perda, que um Bloguista de Génio não cai na pecha dos políticos, a de procurarem eternizar-se.
O que nos deu perdurará enquanto as nossas memórias alcançarem. E fica a Escrita para os curiosos que não tiveram o privilégio de pertencer aos "happy few" que Consigo conviveram.

Abraço

Arquivo do blogue